ACTUALIDAD

A AIFIm destaca a importância dos sistemas de impermeabilização para mitigar as alterações climáticas

Membranas líquidas
  • A Associação Ibérica de Fabricantes de Impermeabilizações (AIFIm) aposta na instalação de “coberturas frias” com membranas impermeabilizantes para reduzir o efeito de ilha de calor.
  • “Tendo em conta que as coberturas são geralmente substituídas a cada 15 ou 20 anos, os proprietários têm uma oportunidade única para utilizar os fundos europeus e assim reduzir o consumo de energia gerado pelos edifícios, que provocam elevadas emissões de CO2 para a atmosfera”, aconselha a AIFIm.

Madrid, 28 de abril de 2021.- O aparecimento de “ilhas de calor urbanas”, ou a diferença de temperatura que ocorre em áreas urbanas com edificação maciça em comparação com os subúrbios ou áreas rurais, está a gerar um aquecimento nas superfícies das cidades, mais evidente nos meses de primavera e verão.

“São superfícies caracterizadas por uma baixa refletância solar e uma alta impermeabilidade, o que, junto com o uso de materiais de alta densidade, está provocando a absorção de grandes quantidades de energia térmica que são liberadas na forma de calor”, afirma Gonzalo Causin, presidente da Asociación Ibérica de Fabricantes de Impermeabilización (AIFIm).

membranas líquidas

Para contrabalançar as consequências que este aquecimento local pode produzir nas alterações climáticas, a AIFIm lançou uma campanha que destaca a instalação de “coberturas frias” em edifícios e a utilização de sistemas de impermeabilização como soluções sustentáveis ​​para reduzir o efeito da ilha de calor nas cidades.

“As coberturas frias são uma das alternativas mais eficazes e fáceis de implementar para aumentar o conforto térmico dos edifícios e melhorar a qualidade de vida dos seus ocupantes, reduzindo os custos de refrigeração em edifícios localizados em locais especialmente quentes e com elevada radiação solar”, afirma a AIFIm. “Porém, os benefícios desse tipo de cobertura não seriam fáceis de alcançar sem a utilização e instalação de sistemas impermeabilizantes com propriedades refletoras”, argumentam.

A melhor solução para a reabilitação

Existem no mercado diferentes soluções para aplicação em “coberturas frias”, tais como membranas pré-fabricadas, betuminosas ou sintéticas, para além das membranas líquidas, sendo estas as mais adequadas para coberturas com geometrias complexas, elevado número de encontros, etc., explica a AIFIm.

A respeito dos sistemas de impermeabilização líquida, as suas aplicações são múltiplas, e são adequadas tanto para novas construções como para reabilitação de edifícios. Entre as suas vantagens, segundo esta associação, cabe destacar a sua maior facilidade para reativar o efeito “cool roof”, que com o tempo se perde devido à poeira e degradação.

“Estes sistemas de impermeabilização líquida são aplicados diretamente, ‘in situ’, de forma rápida e limpa, sobre qualquer superfície. Além disso, a sua aplicação em coberturas, dependendo do sistema e da tecnologia utilizados, torna-as 100% transitáveis ​​independentemente da carga de utilização. A sua grande adaptabilidade permite-lhes cobrir zonas de difícil acesso como terraços, varandas, cisternas ou qualquer outro com geometria irregular. São soluções de fácil manutenção, que atingem uma vida útil de mais de 25 anos dependendo da espessura aplicada “, explica Causin.

Com a chegada dos fundos europeus, que permitirão a revitalização do parque imobiliário, uma das primeiras ações que terão de ser realizadas nos edifícios é a substituição da sua envolvente para melhorar a sua eficiência energética.

“Tendo em conta que as coberturas são geralmente substituídas a cada 15 ou 20 anos, os proprietários têm uma oportunidade única de utilizar estas ajudas europeias e assim reduzir o consumo de energia gerado pelos edifícios, que provocam elevadas emissões de C02 na atmosfera”, aconselha a AIFIm.

Segundo Causin, “estas emissões vão aumentar à medida que as temperaturas exteriores subam, de forma que soluções passivas como as coberturas frias e o uso de membranas para uma correta impermeabilização se tornam alternativas eficazes. A refletância solar é a característica mais importante de uma membrana líquida para alcançar a maior poupança de energia durante os meses de primavera e verão ”.

Durante 2020, o mercado ibérico de produtos líquidos (acrílicos, poliuretanos e poliureias) apresentou acréscimos face ao ano anterior devido ao aumento dos subsetores da reforma e a reabilitação. Da AIFIm esperam que este ano de 2021 seja, pelo menos, tão positivo, “por isso queremos envolver outros fabricantes de impermeabilizantes líquidos neste setor, e juntos continuar a trabalhar para ter uma maior representatividade na quota de mercado”, conclui Gonzalo Causin, presidente da AIFIm.