Prevenção de problemas

Problemas associados à água na edificação Guia para a prevenção de patalogias Importância da impermeabilização

PROBLEMAS ASSOCIADOS À ÁGUA NA EDIFICAÇÃO

Impermeabilização, a chave para impedir que a água “adoeça” a sua casa

O aparecimento da humidade é muito comum, especialmente quando consideramos que a maioria das casas foram construídas antes de existir um regulamento básico sobre a incorporação do isolamento. No entanto, esta circunstância não a torna o problema menos grave para o edifício e para os seus habitantes, pois afeta diretamente a salubridade e a habitabilidade. Além dos danos estéticos óbvios, as infiltrações e a humidade podem danificar seriamente os elementos estruturais do edifício e causar problemas de saúde.

Mas porquê a mim? – Perguntar-se-á. – O que correu mal? – Entre as causas que provocam este problema estão as infiltrações de água, que podem ocorrer através das fachadas e coberturas do edifício e a chamada humidade ascendente por capilaridade.

Não obstante, não deve desanimar. Os pingos de água, aqueles desconfortáveis companheiros de viagem das infiltrações, correspondem sempre a alguma falha na impermeabilização. Têm a vantagem de serem geralmente fáceis de localizar e o seu tratamento consiste em reparar ou substituir a parte danificada. Quase sempre a causa destes problemas é a má aplicação ou degradação devido a agentes externos e, a sua origem, geralmente, remonta à fase do projeto e da sua execução. O primeiro passo para evitar o aparecimento de humidade ou infiltrações é a aplicação ou instalação correta dos produtos, embora não possam ser descartadas outras causas, como o uso inadequado de materiais ou a escolha de produtos de baixa qualidade.

Na maioria dos casos, e como usuários ou proprietários, não teremos a opção de verificar o projeto ou a sua execução. Por esta razão, as operações de manutenção e reparação são essenciais para que a nossa casa seja mantida em ótimas condições. Este tipo de intervenção, realizada por profissionais devidamente qualificados, deixará a nossa casa como nova e pronta para enfrentar os agentes atmosféricos por muitos anos, durante os quais não teremos qualquer surpresa desagradável nas nossas paredes ou tetos.

Na AIFIm, lembramo-nos da importância de considerar aspectos de segurança humana nos projetos de construção durante os trabalhos de conservação subsequentes.

GUIA PARA A PREVENÇÃO DE PATALOGIAS

Seis medidas que deve tomar para evitar problemas na cobertura.

Diz o ditado: mais vale prevenir do que remediar. Quando se trata da segurança e dos cuidados da nossa casa, este conselho é ainda mais recomendável.

Hoje olhamos para a cobertura das nossas casas como o local onde se podem originar a maioria dos problemas e danos que afetam os nossos lares (infiltrações, humidade etc.). Para evitarmos sustos e dores de cabeça, deixamos-lhe seis dicas para manter a cobertura em ordem e pronta a ser usada.

1.- Deve evitar a acumulação de sujidade, folhas, musgo, ramos ou qualquer outro material orgânico que possa obstruir as calhas ou sifões. Se o ralo for obstruído, a água da chuva ficará estagnada e poderá causar infiltrações nas nossas coberturas.

2.- Continuando com a inspeção, deve verificar com detalhe a cobertura e asseverar-se que a água é escoada adequadamente. É fundamental que a água não se acumule à volta do sifão, deve também evitar que se acumule perto das grelhas e das calhas de escoamento.

3.- Continuamos com a inspeção, não se esqueça de dar uma olhadela às juntas de dilatação. Deve verificar se estão em boas condições e se não deixam passar a água, pois, ao fim de algum tempo, deterioram-se e devem ser renovadas. Se, ao examiná-las, vir que estão secas ou com fissuras, está na hora de renová-las.

4.- Obviamente, se o estiverem, deve selar todas as juntas da cobertura: as juntas de dilatação, as juntas entre os ladrilhos cerâmicos, as juntas entre o pavimento e o rodapé e a borda superior do rodapé com a parede ou muro. Os peritos recomendam realizar esta operação aproximadamente de 5 em 5 anos.

5.- Se o acabamento da cobertura for com uma pintura impermeabilizante, a mesma deve ser reforçada duas vezes por ano. É importante que sejam aplicadas pelo menos duas ou três demãos de pintura. Outra coisa, deverá estar particularmente atento às juntas do pavimento com os escoamentos, sifões e paredes.

6.- Se sua casa estiver numa área com clima extremo, deve tomar precauções extra. Após tempestades particularmente ventosas ou fortes e antes do início das estações chuvosas, verifique sempre as condições da sua cobertura. Seguindo estas dicas, evitará inconvenientes, estará protegido de problemas e manterá sempre a sua cobertura em ótimas condições.

Seguindo estas dicas, evitará problemas, estará protegido de patologias e manterá sempre a sua cobertura em ótimas condições.

IMPERMEABILIZAÇÃO

O PRIMEIRO PASSO PARA NÃO ENTRAR ÁGUA NA SUA CASA

Com a chegada do Outono e, muito especialmente, do Inverno, começam a aparecer deficiências na impermeabilização das coberturas dos edifícios, causadoras do aparecimento de infiltrações de água, e inclusive conflitos, nos andares altos dos condomínios.

Não há dúvida de que uma adequada impermeabilização contribui para a sustentabilidade do edifício e, mais concretamente, para a melhoria térmica e para o conforto das casas. No entanto, a sua principal função, evitar que a água passe, pode ser a origem de danos, ocasionados, na sua maioria, por uma incorreta instalação ou aplicação do produto e uma má manutenção por parte dos proprietários.

Está comprovado que as humidades e infiltrações ocupam o primeiro lugar na lista de problemas que mais afetam a edificação e representam mais de um quarto do total, localizadas fundamentalmente em zonas de remates e coberturas (Análise estatística sobre problemas na edificação de 2019 da Fundação Musaat).

Daí a importância de instalar corretamente a impermeabilização nos pontos mais críticos das coberturas, principalmente quando são planas, para evitar o aparecimento de goteiras por infiltrações nos pisos inferiores.

O assunto não é irrelevante, analisemos o caso espanhol: em 2019, as seguradoras repararam nada menos que 860.000 danos provocados por água em condomínios. Da mesma forma, nas residências espanholas, ocorreram, segundo a Asociación Empresarial del Seguro – Unespa, quase dois milhões e meio de goteiras em 2018, o correspondente a uma de 12 em 12 segundos ou quatro por minuto. Uma frequência que torna este sinistro doméstico no mais frequente entre todos os que ocorrem nos domicílios.

É possível evitar que estes números se repliquem com uma instalação correta e uma manutenção preventiva da cobertura. Confie nos melhores profissionais para a água “deixar de entrar” no seu edifício.