BLOG

IMPERMEABILIZAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Na Europa, os edifícios são responsáveis por 40% do consumo de energia e 36% das emissões de CO2, portanto, para atingir os objetivos de sustentabilidade das Nações Unidas, o setor da construção tem um papel fundamental.

Tal como mostram os selos dos edifícios sustentáveis, cada elemento do edifício tem de ser trabalhado neste sentido. A envolvente tem um papel principal (paredes, vedações, coberturas), mas também a localização do edifício, o consumo de solo, etc.

Porém, em climas quentes como o de Portugal, é preciso ter em conta que a cobertura é a superfície mais ampla de todo o edifício exposta ao sol. Isso significa que a cobertura tem o potencial mais importante de otimização de recursos energéticos.

Por isso, recomendamos a utilização de coberturas eficientes como o cool roof, o cool colour roof e a cobertura ajardinada. Estas soluções definem-se segundo três critérios:

  • O valor de refletividade, ou seja, a capacidade do material para refletir o calor e os raios solares que o atingem (expressa em %)
  • O valor de emissividade, ou seja, a capacidade do material para reemitir como calor a energia absorvida (expressa em %)
  • O SRI (Solar Reflectance Index): é um índice que se obtém interpolando os dois dados de refletividade e emissividade. Permite identificar a qualidade de «eficiência» de cada produto. Normalmente, os produtos brancos ou claros têm um SRI mais elevado (> 75).

Os selos de certificação dos edifícios, assim como as normas locais ou nacionais, requerem, premeiam ou recomendam a utilização de produtos com SRI elevado. Esta tecnologia está bem valorizada, sobre a abordagem dos edifícios de energia quase nula.

Muitos estudos independentes demonstram como as coberturas claras transmitem muito menos calor no interior dos edifícios, diminuindo em primeiro lugar a temperatura interna, reduzindo a necessidade de energia elétrica para a climatização e, além disso, favorecendo a diminuição do efeito «ilha de calor», com benefícios económicos, sociais e ambientais.

Outra tecnologia recomendada é a da cobertura ajardinada, que devido às plantas, à humidade que se gera e à cor da própria vegetação, atua como um cool roof.

Na construção tradicional valorizam-se mais critérios como a estética ou o preço, enquanto que na construção eficiente o critério é outro: a parte positiva é que não se tem de renunciar a uma boa estética ou a um preço acessível para conseguir uma construção eficiente.